Além de não aparecer para trabalhar, ex-diretor se junta com deputado para inviabilizar Fundação Alfredo da Matta

Portal Barelândia

Derrotado no último processo eleitoral que escolheu o diretor da Fundação Alfredo da Matta (FUAM), o médico Helder Cavalcante decidiu tentar inviabilizar o funcionamento do ambulatório, essencial para o atendimento dos casos de doenças de pele, inclusive a hanseníase, no Amazonas. Junto com colegas, ele induziu o deputado Fausto Junior (MDB) a apresentar emenda inoportuna ao importantíssimo projeto que tramita na Assembleia Legislativa para transformar o órgão em hospital, o que abriria um leque de oportunidades para a instituição, que passa por dificuldades financeiras.

O objetivo do projeto encaminhado pelo Governo é habilitar a Fundação junto ao Ministério da Saúde para realização de procedimentos cirúrgicos em dermatologia avançada , além de reconhece-la no Ministério da Educação na área de ensino. Isso abriria espaço para a entrada de novos recursos financeiros e um leque de novas oportunidades.

Neste momento, a perda constante de servidores por aposentadoria, mortes e exonerações na Fundação Alfredo da Matta tem levado ao fechamento alguns serviços e deixado de lado a execução de muitos procedimentos, especialmente as cirurgias dermatológicas e de câncer de pele.

Só que Helder está mais preocupado com os próprios interesses e não com a Fundação. Por isso, decidiu interferir no projeto, convencendo o deputado Fausto Junior a pedir vistas do projeto alegando que existiam vícios, atrapalhando a aprovação, que parecia líquida e certa, depois de três meses de tramitação. Em seguida, o parlamentar apresentou uma emenda cujo objetivo não era o de aprimorar a proposta e sim alterar os procedimentos de escolha do diretor da instituição.

O Projeto de Lei em nenhum momento tratou sobre a dinâmica da escolha em lista tríplice do diretor presidente do órgão, que se encontra definida nos regimentos internos e nas leis delegadas de outras quatro fundações de saúde do estado.

A emenda do deputado Fausto Júnior foi derrotada na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa e o projeto seguiu a tramitação, com sua redação original.

Ao contrário de se preocupar com as melhorias da Fundação, Cavalcante está preocupado em mudar a forma de escolha da diretoria para tentar derrotar o favorito para continuar no cargo – o atual diretor-presidente, o farmacêutico bioquímico Ronaldo Amazonas.

AFASTADO, MAS TRABALHANDO

A Fundação Alfredo da Matta padece ainda da falta de ética e de escrúpulos por parte de alguns médicos que se negam a retornar ao serviço mesmo depois que o Governo do Estado revogou o decreto da pandemia que permitia que aqueles com mais de sessenta anos ficassem em casa.

Um dos que não retornou foi justamente Helder Cavalcante. Ele apresentou atestados médicos indicando que padece de doenças graves para tirar mais de 180 dias de licença, debilitando mais ainda o atendimento médico dermatológico na instituição.

Curiosamente, Cavalcante continua atendendo normalmente em seu consultório particular, suntuosamente instalado em um shopping de Manaus.

O Barelândia entrou em contato com a direção da FUAM, que confirmou os fatos, mas, diante de possível ocorrência de falsidade ou manipulação documental por parte da junta médica do Estado ou do médico que expediu o atestado, prefere não se manifestar.

As denúncias contidas nesta postagem foram encaminhadas ao Ministério Público do Estado para apuração das responsabilidades.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui