‘Baixo juízo’ de Arthur Virgílio prejudica PSDB, diz Rodrigo de Almeida

0
203

O CAPRICHO DE ARTHUR VIRGÍLIO PELAS PRÉVIAS SÓ PREJUDICA O PSDB

Tem cheiro e forma de delírio inconsequente a estratégia de Arthur Virgílio Neto para levar o PSDB às prévias – agendadas para março – e disputar com Geraldo Alckmin a candidatura à Presidência da República. O prefeito de Manaus sabe que não tem chance, reconhece não ter base dentro do próprio partido e, se não sabe, deveria saber que sua insistência é tão danosa aos tucanos quanto a agressividade dirigida ao governador de São Paulo.

Graças a Arthur Virgílio, o PSDB perde tempo e energia num desgaste desnecessário. O dano é menor no tempo (afinal a pré-campanha só começa oficialmente depois de março) e muito maior na energia e na imagem do partido.

É ruim a pecha de partido elitista e com processo decisório de cúpula – Alckmin foi indicado em 2006 contra José Serra num jantar no saudoso restaurante Massimo, em São Paulo, numa mesa que reunia Fernando Henrique Cardoso, Tasso Jereissati e Aécio Neves. Mas é pior ainda a capacidade tucana de seus próprios quadros triturarem os colegas (ou adversários) de partido. Vide a virulência das prévias envolvendo João Doria e Andrea Matarazzo, rumo à última disputa para a prefeitura de São Paulo.

A agressividade quase tisna a candidatura de Barack Obama na renhida disputa contra Hillary Clinton em 2007 e 2008. Por aqui, Arthur Virgílio desfere golpes retóricos contra Alckmin para além do tom – chamou-o de ortodoxo em tom de xingamento, questionou-lhe o “escapismo” e afirmou que o governador não tem como surpreender ninguém. Numa campanha presidencial difícil como será a de 2018, quem perde é o partido.

Se por interesse superior ou picuinha, pouco importa, o fato é que sua inconsequência é tão delirante quanto a de Eduardo Suplicy em 2002 – na época o então senador do PT de São Paulo resolveu que o seu partido tinha de disputar prévias e confrontou-se a Luiz Inácio Lula da Silva, logo no ano em que uma vitória lulista mostrava-se mais real do que qualquer outra eleição presidencial anterior.

A diferença entre o PT de 2002 e o PSDB de 2018 é que Lula era o candidato inconteste – forte como ninguém nunca foi entre petistas e ascendente fora dos muros da esquerda. Alckmin, por outro lado, embora seja o nome mais viável entre os tucanos, ainda precisa consolidar a unidade do partido, atrair aliados externos para dar solidez à candidatura tucana e apresentar-se com clareza ao eleitorado.

Não à toa o governador não só exibiu modestos 6%-11% (conforme o cenário) na última pesquisa do Instituto Datafolha, como é notável o patamar de desconhecimento de sua candidatura. A razão disso não está apenas na reconhecida característica de Alckmin de “jogar parado”. A inércia tucana tem seu peso. E muito.

O baixo juízo de Arthur Virgílio prejudica o governador e, mais do que este, o próprio PSDB. O prefeito não faz cócegas a Alckmin na condição de principal nome tucano para disputar o Palácio do Planalto. Seu único feito é tão-somente tornar o caminho do governador mais pedregoso. Tucanos sabem mesmo como prejudicar o próprio caminho.

DEMOCRACIA, SIM. MAS COM RESSALVAS

Antes que as gralhas gritem, é preciso ressaltar: prévias partidárias são saudáveis instrumentos para fortalecer a democracia interna nos partidos. Funcionam como funis para a escolha de candidatos, num filtro capaz de envolver sua base e permitir que o partido escape de um processo em geral viciado, conduzido exclusivamente pelos morubixabas da legenda.

País de baixa cultura partidária, o Brasil tem um histórico pálido de realização de prévias. Prevalecem as candidaturas de consenso – sabe-se lá a que preço. Contam-se nos dedos de uma mão prévias relevantes no histórico de eleições: no PT, Luiza Erundina contra Plínio de Arruda Sampaio pela prefeitura de São Paulo, em 1988; Maurício Rands contra João da Costa, no PT do Recife, em 2012; João Doria contra Andrea Matarazzo, na disputa do PSDB pela prefeitura em 2014; além, é claro, da já mencionada disputa de Suplicy contra Lula em 2002. Nada muito além disso.

Em sua fase heroica – anterior a 2002 – o PT realizava eleições internas com muita frequência. Quando se profissionalizou (para o bem e para o mal), tornou-se menos propenso a uma participação das bases.

Os EUA são de longe a democracia com maior cultura partidária, com ampla e longa tradição de prévias – remontam a um longínquo 1920, exigem grandes debates entre pré-candidatos e há estados em que todos os cidadãos, mesmo os não-filiados, participam da escolha dos candidatos dos principais partidos, Democrata e Republicano. Para ficar em outro exemplo, a Argentina também recorre a prévias, inclusive para a escolha dos candidatos dos partidos ao Legislativo.

Prévias aumentam a transparência, engajam eleitores e militantes, superam impasses pontuais. Quando fora de controle, porém, expõem desnecessariamente o partido, abrem fissuras internas, aprofundam feridas, ampliam desgostos e aumentam as desavenças. No caso como o PSDB, já viciado em perdedores internos que lavam as mãos ou cruzam os braços diante dos vencedores, a coisa fica mais grave.

(Magoado com os métodos de Serra em 2001, Tasso fez pouco pelo candidato tucano em 2002; Serra e Aécio vingaram-se de Alckmin em 2006; Alckmin e Aécio devolveram a vingança a Serra em 2010.)

Pode-se acusar o PSDB de muita coisa, mas o partido tem uma face ideológica. Como já escreveu uma vez Elio Gaspari, a corrente ideológica tucana é ambígua, convive com o que condena, mas preserva uma ambição ideológica. Em períodos eleitorais ou fora deles, no entanto, tucanos têm dificuldade de encontrar um eixo comum, lutar em conjunto por ele e defender seu legado. Por soberba, vaidade dos seus caciques ou por oportunismo eleitoral, costumam rachar-se antes e durante o processo de convencimento do eleitor.

Numa disputa sem Lula e com candidaturas pulverizadas à esquerda, 2018 abre uma chance gigantesca para o PSDB – chance desperdiçada em 2014 pela fragilidade, histerismo e superficialidade de Aécio Neves contra Dilma Rousseff em 2014. Tem uma grande missão de partida: mostrar-se como uma alternativa viável e consistente para conduzir o país a partir de 2019. Poderia estar concentrado neste foco, com olho em si, nos prováveis adversários e na agenda que defenderá nos próximos meses.

Tarefa que terá de esperar pelo fim do processo a que foi empurrado pelo capricho de Arthur Virgílio.

Fonte: Poder 360

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here