Barroso pede investigação de vazamento; dado sigiloso chegou até Temer

STF - Blog - Pavulo - Ministro Luís Roberto Barroso

O ministro Roberto Barroso, do (STF) Supremo Tribunal Federal, pediu investigação sobre vazamentos da quebra do sigilo bancário do presidente Michel Temer (MDB).

Presidente nega irregularidades

A defesa de Temer teria ficado sabendo, pelo menos, do número dos autos sigilosos.

“A petição apresentada pela ilustre defesa do Excelentíssimo Senhor Presidente da República revela conhecimento até mesmo dos números de autuação que teriam recebido procedimentos de investigação absolutamente sigilosos”, diz o despacho desta 3ª feira (6.mar.2018). Leia a íntegra.

Fachin inclui Temer em inquérito que investiga repasses da Odebrecht

quebra do sigilo de Temer foi revelada na noite desta 2ª feira (5.mar.2018). Em seguida, o presidente anunciou que iria pedir cópia dos dados bancáriosdisponibilizar para a imprensa.

O período da quebra do sigilo é de 4 anos, entre 2013 e 2017. A quebra ocorre no âmbito do inquérito 4621, que investiga Temer, assessores e a empresa Rodrimar por suposta corrupção na edição do Decreto dos Portos.

O ministro também solicitou a quebra dos sigilos do coronel João Baptista Lima, amigo de Temer, dos ex-assessores Rodrigo Rocha Loures e José Yunes, e de executivos da Rodrimar. A empresa opera no Porto de Santos.

 O presidente nega irregularidades e diz que não tem “nenhuma preocupação” com as movimentações das suas contas.

É a 1ª vez que 1 presidente do Brasil tem o sigilo bancário quebrado. O pedido foi feito pela PGR (Procuradoria Geral da República) em dezembro.