Bia Kicis critica sistema eleitoral e diz não poder provar “fraude” em 2018

0
5
Deputada Federal Bia Kicis, durante entrevsita ao Poder 360 para o Novos Cogressistas. Brasilia, 12-04-19. Foto: Sérgio Lima/PODER 360

Deputada é autora da PEC do voto impresso, em análise no Congresso

Autora da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do voto impresso, a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) afirmou que não pode provar que a eleição presidencial de 2018 foi fraudada. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) declarou por mais de uma vez que houve fraude no pleito que o elegeu, mas não apresentou provas.

Eu não vou entrar nesta seara. Sabe por quê? Porque eu não vou falar uma coisa que eu não possa provar. Eu não posso provar que teve fraude. Sabe por quê? Porque o sistema não é auditável”, falou a deputada em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo publicada na noite de sábado (24.jul.2021).

O eleitor não tem como provar. Ele só sabe o que ele viu, que o voto dele não apareceu naquela urna. Aí você quer jogar para o eleitor o ônus de provar uma fraude? Isso é uma prova demoníaca. Não tem como. Agora, existem muitos indícios de problemas. Se foi fraude, se foi problema técnico, eu não sei.

A PEC determina a exigência de impressão de cédulas em papel nas eleições, plebiscitos e referendos no Brasil. Segundo a proposta, as cédulas poderão ser conferidas pelo eleitor e deverão ser depositadas em urnas indevassáveis de forma automática e sem contato manual, para fins de auditoria. Entenda a controvérsia em torno da PEC do voto impresso nesta reportagem.

Eleição no Brasil virou um ato de fé. Você vota e reza para o seu voto ir para o seu candidato”, declarou a deputada.

A questão é que virou uma contenda, uma guerra. O Parlamento sempre foi a favor do voto auditável. Só que desta vez, a Justiça Eleitoral entrou em campo exatamente para abortar até mesmo o debate. Então, isso é uma coisa muito pouco republicana.”

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) rechaça a afirmação de que o sistema eleitoral vigente no Brasil não é auditável.

“Nosso processo eleitoral eletrônico é seguro, transparente e, sobretudo, ele é auditável”, disse Roberto Barroso, ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE na Comissão Geral da Câmara dos Deputados em junho. Para ele, um possível retorno do voto impresso no Brasil diminuirá a segurança das eleições.

Bolsonaro é a favor da proposta. Segundo ele, Barroso deveria ser o “primeiro a dizer” que o voto impresso é “mais uma segurança”. Apesar de defender o voto impresso, afirmou que o projeto não tem condições de ser aprovado na comissão especial –a votação deve ser realizada em 5 de agosto, depois do recesso parlamentar.

Estava tudo pronto, de repente o Barroso foi para dentro do Congresso conversou com alguns líderes e eles trocaram as composições dos seus representantes nas comissões. Hoje, na comissão [especial] não passa”, falou em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada nessa 6ª feira (23.jul).

Bia Kicis afirmou que o discurso de Bolsonaro de que houve fraudes “atrapalhou na medida em que ficou politizada a questão e isso deu uma justificativa para as pessoas que vão votar contra por causa da interferência do TSE dizer que é por causa do presidente”.

A deputada disse não acreditar em ruptura institucional caso a medida não seja aprovada. “O presidente é uma pessoa coerente. Ele está falando aquilo que ele sempre falou”, falou a congressista.

As teorias que as pessoas criam estão na cabeça de cada um. E a intenção de cada um para usar isso como uma justificativa de um golpe que só está na cabeça das pessoas. Golpe é eleição sem transparência.”

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here