Cantora antivacina morre após contrair Covid de propósito para obter passaporte

A cantora Hana Horka, do grupo tcheco Asonance, decidiu se contaminar com Covid-19 propositalmente para obter um passaporte de vacinação, mas acabou morrendo no último domingo (16), aos 57 anos, por complicações relacionadas à doença. As informações são da agência RFI.

Horka era contra a vacinação anticovid e preferiu se expor deliberadamente à doença para obter a documentação necessária que lhe daria acesso à uma “vida livre”, segundo suas próprias palavras nas redes sociais.

“Estou muito feliz porque, desta forma, poderei ter uma ‘vida livre’ como os outros. Ir ao cinema, tirar férias, ir à sauna, ao teatro”, escreveu a cantora quando descobriu estar infectada.

O filho da cantora, Jan Rek, confirmou à rádio pública tcheca iRozhlas que a mãe era antivacina. “Ela preferiu viver normalmente conosco e pegar a doença para não ter que se vacinar. É triste que ela quis mais acreditar em estranhos do que em sua própria família”, disse o filho.

Ele e seu pai, marido da cantora, tiveram a doença no final do ano passado, mas estavam completamente imunizados e não tiveram complicações. Dois dias antes de sua morte, Horka foi até suas redes sociais e comemorou emocionada ter “vencido” a doença, e disse que faria uma viagem “urgente” a uma praia para celebrar.

No entanto, no mesmo dia, a cantora começou a ter complicações. Segundo seu filho, ela voltou de uma caminhada sentindo muitas dores nas costas e morreu por sufocamento em sua cama.

Ainda de acordo com a RFI, o filho da cantora afirma que sua mãe foi vítima da campanha de um movimento antivacina na República Tcheca, e ele chegou a culpar o ator Jaroslav Dušek e a bióloga Soňa Peková que, segundo ele, “têm sangue em suas mãos”. Horka republicava frequentemente publicações antivacina dos dois em suas redes sociais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui