Corinthians teve 21 casos de COVID-19 no elenco; maioria já se recuperou

Cerca de 80% do elenco profissional do Corinthians já esteve contaminado pelo coronavírus (Foto: Ag. Corinthians) Foto: Lance!

Dos 27 atletas do elenco, 13 já tiveram a doença e se recuperaram, outros oito estão infectados, mas assintomáticos. Ao todo, clube realizou 190 testes incluindo familiares

O número de infectados pelo coronavírus no Corinthians é ainda pior do que o divulgado pelo clube no último sábado. Isso porque quase 80% do elenco de 27 atletas teve contato com a doença em algum momento. A boa notícia é que a maioria já se recuperou e está imunizada. Os outros infectados, que ainda não se recuperaram, serão afastados por dez dias, como informado previamente.

Ao todo, segundo informação divulgada pelo “Meu Timão” e confirmada pelo LANCE!, 21 jogadores do grupo principal corintiano foram contaminados pela COVID-19 em algum momento nos últimos meses, sendo que 13 deles não têm mais a doença e oito permanecem em recuperação. Vale destacar que todos os casos foram assintomáticos, ou seja, nenhum deles apresentou sintomas.

Os 19 jogadores que estão liberados irão ao CT nesta segunda-feira para retirarem seus EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e materiais de treino de uso pessoal, que passarão a ser higienizados na casa de cada um após a utilização durante os trabalhos no CT Joaquim Grava, que terão início nesta terça-feira, com avaliações físicas e fisiológica, seguindo as recomendações e os protocolos das autoridades, conforme o clube informou no último sábado.Foram, ao todo, 190 testes realizados pelo Corinthians, que incluíram jogadores, membros da comissão técnica, funcionários do CT, e familiares de atletas e de colaboradores.

Na comissão técnica, quatro serão afastados das atividades por dez dias por ainda estarem contaminados e outros 17 já tiveram contato com a doença e estão imunizados. Entre os colaboradores, 12 já se recuperaram e um ainda está em processo de recuperação.

Nenhum nome foi divulgado pelo clube, exceto pelo massagista Raimundo “Ceará”, que acabou sendo o caso mais grave, por ter precisado ser hospitalizado após apresentar sintomas. Ele está no grupo de risco, acima de 60 anos, e estaria afastados deste reinício das atividades de qualquer forma. Os outros funcionários dessa faixa etária também permanecem afastados.