Deputado aconselha Governador: ‘Umanizzare pode esperar, mas saúde e educação não’

2
201

Em seu primeiro pronunciamento no plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) nesta quarta-feira, 6, o Deputado Wilker Barreto (PHS) fez questão de analisar a mensagem governamental e dar uma sugestão ao Governador do Estado, Wilson Lima, que esteve presente no parlamento na última terça-feira, 05, para abrir a sessão da 19ª Legislatura.

“Se fala muito em números e particularmente tenho uma queda por números, pois eles não mentem. Mas me preocupa a forma de início de governo atabalhoada. A reforma administrativa deveria ter sido o passo inicial, com o enxugamento da máquina e diminuição do custeio. Porém, me dói o coração quando vejo que a Umanizzare ainda é prioridade neste governo. Infelizmente, não vi na mensagem planejamento. Apenas discurso político. Não vi praticidade. Não vi chegando nada de solução”, destacou Wilker.

 

Wilker Barreto vai presidir comissão que cuida dos interesses da Zona Franca de Manaus

O parlamentar ainda comentou que a mensagem governamental não foi apresentada de forma digital à Aleam e só foi disposta no portal oficial do governo às 19h, quase dez horas depois do pronunciamento de Wilson Lima. “Esperava ontem uma mensagem, mas o que tivemos foi um discurso de campanha”.

Ainda no púlpito da Assembleia, o deputado Wilker Barreto afirmou que um dos caminhos para o progresso econômico e social é o realinhamento dos contratos do governo. Segundo ele, áreas como saúde e educação devem receber atenção total do Estado. Ao contrário do que vem pregando o atual governo, que já pagou R$15 milhões à Umanizzare (empresa que administra o Complexo Penitenciário Anísio Jobim – Compaj) e já tem empenhado para 2019 um total de R$50 milhões.

“Faço um apelo ao Governador para que ele realinhe os contratos do Estado com urgência. Se ele pegar os 10 maiores contratos praticados e realinhar em 5% terá um caminho. A Umanizzare, que já recebeu R$ 15 milhões somente em janeiro e tem empenhado um total de R$50 milhões para 2019, pode ficar sem receber ou ter ajustes. O que não pode é a saúde e a educação prejudicadas. Essas devem ser prioridades e estou aqui para defender essas medidas”.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here