Doria vence prévias do PSDB e deve ser o candidato ao governo de SP

Convenção do PSDB que elegeu o governador Geraldo Alckmin como presidente do partido.Foto: Sérgio Lima/PODER 360

O prefeito de São Paulo, João Doria, venceu neste domingo (18.mar.2018) as prévias do PSDB para o governo de São Paulo.

Com isso, ele é o nome escolhido para ser o candidato do partido ao Palácio dos Bandeirantes.

Com 11.993 votos dos colegiados da sigla no Estado, Doria obteve 80,02% dos votos válidos. Em seguida, ficaram o deputado Floriano Pesaro, com 1.101 votos (7,35%); o cientista político Luiz Felipe d’Ávila, com 993 votos (6,63%); e o ex-senador José Aníbal, com 901 votos (6,01%).

Como Doria obteve mais de metade dos votantes, não haverá um 2º turno

As prévias servem como disputa interna entre interessados que querem concorrer a algum cargo pelo partido. Qualquer filiado à sigla pode participar da votação. Para a escolha deste domingo, o PSDB estadual disponibilizou urnas em 72 cidades de São Paulo.

O certame foi realizado sob intenso fogo cruzado entre os pré-candidatos. Eles não pouparam críticas entre si.

Geraldo Alckmin é o candidato do PSDB à Presidência da República, Arthur Neto nem saiu na foto

O prefeito de São Paulo era o favorito para vencer as prévias e alvo comum de Pesaro, d’Ávila e Aníbal. A proteção ao nome de Doria causou desconforto entre os demais pré-candidatos, que acusavam a direção do partido de causar constrangimentos dentro do debate em torno da escolha.

Eleições para a escolha dos novos dirigentes do TJAM e do TRE-AM são marcadas

Antes do pleito, José Aníbal afirmava que o prefeito de São Paulo não cumpriu com a palavra ao abandonar a prefeitura para se lançar ao Estado. Na visão de Aníbal, a capital paulista sofre com a falta de manutenção estrutural. “Ele foi eleito com o discurso de ser um gestor, mas a realidade é que deu um péssimo exemplo de gestão”, disse.

Aníbal destacou, entretanto, que uma vitória de Doria nas prévias não interromperiam o projeto eleitoral do PSDB em São Paulo e no Brasil. “Temos um candidato à Presidência, e ele vai precisar do total apoio de companheiros leais a ele.”