Egito confirma pena de morte para dois monges cristãos por assassinato de bispo

El monje egipcio Philoteos Al Makari durante su proceso del 23 de febrero de 2019 en Damanhour, en Egipto

Dois monges cristãos, responsáveis pelo assassinato de um bispo, tiveram a pena de morte confirmada no Egito por um mufti, após a sentença ser anunciada por um tribunal do país, segundo informações oficiais divulgadas nesta quarta-feira.

A lei local determina que os juízes devem consultar a opinião do grande mufti do Egito, um jurisconsulto supremo e intérprete qualificado do Alcorão para resolver os pontos controvertidos da legislação, principalmente os casos de sentença capital.

Pávulo no Facebook   Twitter  Instagram

Flamengo sofre virada no Equador e vê classificação na Liberta ameaçada: 2 a 1

Em fevereiro, a justiça do país condenou à morte estes dois monges coptas ortodoxos, um caso que abalou esta importante comunidade cristã do Egito em 2018.

O bispo Epifanius, de 68 anos, dirigia o monastério de São Macário, em Wadi Al Natrun, a noroeste do Cairo. Seu corpo foi encontrado no final de julho num corredor da instituição com ferimentos na cabeça, segundo a Igreja.

A promotoria acusou os monges Isaías Al Makari e Filotheos al Makari de terem tramado a morte do religioso, por divergências não explicadas.

Os coptas, egípcios cujos ancestrais abraçaram o cristianismo no século I, representam 10% da população de 100 milhões do paí, e são alvos frequentes da violência de extremistas, especialmente do grupo Estado islâmico.