Ex-Palmeiras rebate Simony sobre pensão da filha: ‘Não sou Neymar’

 O jogador Diego Souza, que jogou no Palmeiras e no futebol japonês, rebateu as críticas feitas pela cantora Simony, com quem tem uma filha de 12 anos.

A cantora fez um post mostrando a mansão do jogador e reclamando que ele paga apenas R$ 300 de pensão para a menina.

Ao “Uol”, Diego rebateu as críticas e disse que não tem a mesma condição financeira de Neymar. “A Simony está achando que eu sou o Neymar. Eu não sou Neymar.

Acompanhe o Blog do Pávulo no Facebook   Twitter  Instagram

Cruzeiro descarta negociar Dedé com o Flamengo: ‘Não temos interesse’

Acham que jogador ganha muito, milhões, mas 90% dos atletas profissionais ganham 1 salário mínimo. Eu não faço parte desses 10%. Eu estou encerrando a minha carreira no Taboão da Serra”, disse.

“O pessoal acha que eu sou o errado da história. Não sou o errado da história. Eu ajudo a minha filha da maneira que posso. Como vou pagar algo se não tenho condições? Se eu não pagar o que o juiz determinou, eu sou preso. Hoje tenho condições de pagar R$ 300. Ela quis aparecer, mas eu não sou assim. Tenho caráter, sou correto, sou homem”, completou.

Segundo Diego, seu salário como contratado do Taboão da Serra-SP é de aproximadamente R$ 1000, registrado na carteira de trabalho no regime CLT. O jogador afirma que não tem outras fontes de renda e que tem mais três filhos para sustentar de seu atual casamento. Ele também afirma contar com a ajuda financeira do seu pai e do sogro.

“Hoje o meu salário é R$ 1000 no Taboão. Tenho como provar, CLT, tudo bonitinho, não tem como mentir para a Justiça. Se eu não tivesse ajuda do presidente (do clube) não sei o que seria de mim. Minha esposa trabalha, meu pai e meu sogro me ajudam”.

Pensão já foi R$ 6 mil

Até meados de 2016, quando atuava em clubes como Tokyo Verdy, Kyoto Sanga e Vegalta Sendai, Diego Souza pagava R$ 6 mil de pensão para a filha. No entanto, quando ele voltou ao Brasil para jogar no Volta Redonda, pediu à Justiça para fazer um ajuste no valor da pensão, que caiu para R$ 1250.

“Sempre ajudei minha filha desde o primeiro dia. Paguei R$ 6 mil por cinco ou seis anos, se não me engano, isso sem atrasar nem um dia sequer. Quando voltei para o Brasil, ia receber bem menos que no exterior, então entrei com uma ação para abaixar porque eu não tinha mais condições de arcar com esses R$ 6 mil. Nem isso eu vim ganhar no Brasil”.