Mantega diz a Moro que US$ 1,3 milhão na Suíça é de venda de imóvel

0
122
O ex-ministro Guido Mantega (2006-2015/governos Lula e Dilma) informou ao juiz federal Sérgio Moro que o valor de US$ 1,3 milhão mantido em sua conta na Suíça ‘tem origem em negócio imobiliário #Blogdopavulo
O ex-ministro Guido Mantega (2006-2015/governos Lula e Dilma) informou ao juiz federal Sérgio Moro que o valor de US$ 1,3 milhão mantido em sua conta na Suíça ‘tem origem em negócio imobiliário realizado com a construtora Sandria Projetos e Construções LTDA., pertencente a Victor Garcia Sandri’.

Em 23 de maio, o magistrado havia intimado Mantega a prestar esclarecimentos sobre uma conta na Confederação Helvética, revelada pela própria defesa do ex-ministro da Fazenda, em 2017.
Sandri foi denunciado na Operação Zelotes – investigação sobre manipulação de julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), braço do Ministério da Fazenda que funciona como uma espécie de ‘tribunal da Receita’ e julga recursos de empresas contra multas aplicadas pelo Fisco.

O empresário foi citado ainda na delação de Joesley Batista, da JBS.

O delator contou que, em 2005, ‘contratou’ o empresário Victor Sandri, por R$ 50 mil mensais, para intermediar interesses da JBS no meio político.
A defesa de Mantega entregou documentos a Moro na quarta-feira, 6. “Referido negócio imobiliário consistiu na permuta de imóvel que o peticionário herdou de seu pai, Giuseppe Mantega, situado na rua Pequetita, Jardim Paulista, São Paulo-SP, por unidades do empreendimento imobiliário que veio a ser construído no local, denominado Edifício Atrium VII”, afirmou.

STF inocenta Eduardo Braga na acusação de recebimento de propina na obra da Ponte Rio Negro

“Além da entrega das unidades, foi acordado o pagamento de uma quantia em dinheiro, a qual não foi prevista contratualmente justamente porque seria promovida por meio de operação financeira entre contas bancárias à época não declaradas às autoridades brasileiras.”

Segundo os advogados do ex-ministro, ‘a construção do empreendimento foi concluída no final do ano de 2005’.

A defesa afirma que, na ocasião, Mantega ‘recebeu o depósito de metade do valor acordado com Victor Sandri (US$ 650 mil), tendo a outra metade (US$ 645 mil) sido depositada pouco antes da outorga da escritura definitiva das unidades’.
Os defensores entregaram comprovantes de depósito, extrato bancário, certidão de dados cadastrais do imóvel, escrituras de permuta e dação em pagamento. Mantega foi preso em 22 de setembro de 2016, na Operação Arquivo X, 34ª fase da Lava Jato. Naquele dia, o ex-ministro acompanhava a mulher Eliane Berger (morta em novembro de 2017, vítima de câncer) em uma cirurgia no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.
Sob suspeita de arrecadar propinas para o PT em 2012 em contratos de duas plataformas, P67 e P70, ligadas à Petrobrás, Mantega se entregou na portaria do hospital. Ele foi solto no mesmo dia por ordem de Moro, que destacou, em sua decisão, o quadro de saúde da mulher do ex-ministro.
Nesta investigação, Mantega foi alvo do depoimento do empresário piramista de papel Eike Batista, ex-presidente do Conselho de Administração da OSX. Ao Ministério Público Federal, Eike declarou que, em 1 de novembro de 2012, recebeu pedido de um então ministro e presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, para que fizesse um pagamento de R$ 5 milhões, ‘no interesse do PT’.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here