Operador de Cabral diz que Pezão recebia propina de até R$150 mil

Em depoimento ao juiz federal Marcelo Bretas, Sérgio de Oliveira Castro disse que entregava envelopes aos emedebistas pessoalmente

Em depoimento ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, um dos operadores do ex-governador Sérgio Cabral (MDB), Sérgio de Oliveira Castro, confirmou que Cabral e o também ex-governador Luiz Fernando Pezão recebiam mesadas de propina, de R$50 mil a R$150 mil. Castro fechou acordo de delação com o Ministério Público Federal (MPF) em setembro do ano passado, mas informação só foi divulgada nesta terça-feira.

Serjão — como o operador é conhecido — afirmou que ele era o responsável por entregar as “sacolas” e “envelopes” de propina em dinheiro vivo aos integrantes do esquema de fraudes na Secretaria de Obras do governo do Estado nos governos dos emedebistas.

O interrogatório do ex-governador Pezão estava marcado para esta terça-feira, mas o depoimento foi adiado por Bretas para o início de fevereiro.