PF cumpre mandados contra delegado e ex-secretário de Sérgio Cabral em nova fase da Lava Jato

0
427
Delegado Marcelo Martins foi preso na manhã desta terça-feira (Foto: Reprodução / TV Globo)

Operação ‘Pão Nosso’ visa combater sistema de corrupção no fornecimento de pães às cadeias do Rio. O delegado Marcelo Martins, atual Diretor Geral de Polícia Especializada, e o coronel César Rubens Monteiro de Carvalho, ex-secretário de Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) no governo Cabral, foram presos

Rio – A Polícia Federal (PF) realiza na manhã desta terça-feira a operação “Pão Nosso”, alusão ao esquema de superfaturamento e fraude no fornecimento de pães para presidiários.

A ação é um desdobramento da Calicute, a Lava Jato no Rio, e tem como principais alvos o delegado Marcelo Martins, atual Diretor Geral de Polícia Especializada, e o coronel César Rubens Monteiro de Carvalho, ex-secretário de Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) durante o governo de Sérgio Cabral.

Ambos foram presos nas suas respectivas residências na Barra da Tijuca

Segundo a PF, agentes cumprem 14 mandados de prisão, sendo nove temporárias e cinco preventivas, expedidos pelo juiz da 7ª Vara Federal criminal do Rio de Janeiro, Marcelo Bretas.

Ministério Público pede pena máxima ao peemedebista Sérgio Cabral por “ganância desenfreada”

As investigações dos ministérios Público Estadual e Federal e apontam superfaturamento em contratos de fornecimento de pães para as cadeias do estado do Rio. Em troca dos contratos, os empresários pagavam propina para a quadrilha ligada à Sérgio Cabral, através do advogado Marcos Vinícius da Silva Lips, ex-secretário adjunto de Tratamento Penitenciário da Seap, e o ex-ordenador de despesas do órgão, Wellington Perez Moreira.

O pai do delegado Marcelo Martins também é alvo da operação.

Carlos Felipe da Costa Almeida de Paiva Nascimento, dono do Esch Café, tradicional ponto de encontro de admiradores de charutos no Centro do Rio, no Leblon e em São Paulo, no bairro dos Jardins, também é alvo da ação.

A Esch Café já foi alvo de uma investigação que apontava um esquema de fraude no fornecimento de pães e lanches para presídios, que foi revelado pela TV Globo.

Carlos Felipe Paiva é apontado como sócio oculto da Iniciativa Primus e foi proprietário de outra empresa que fornecia alimentos à Seap, a Induspan.

Entre as acusações contra os envolvidos estão os crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, fraude em licitação e peculato.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here