Poderes têm de respeitar decisão uns dos outros, diz Rodrigo Maia

0
45

Poder 360

Após reunir chefes dos 3 Poderes neste sábado (16.mar.2019) para 1 churrasco, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) defendeu que haja respeito às decisões do Executivo, do Judiciário e do Legislativo, mesmo quando não agrade.

“Se o Supremo, por exemplo, tomar uma decisão que me desagrade, eu tenho que respeitar a decisão”, disse.

O almoço reuniu a cúpula do Executivo, do Judiciário e do Legislativo. Estiveram presentes o presidente da República, Jair Bolsonaro, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), além de ministros de Estado e congressistas.

Nesta semana, a Suprema Corte foi alvo de novos ataques nas redes sociais e de críticas de apoiadores da Lava Jato. O motivo foi a decisão que definiu a Justiça Eleitoral como foro competente para julgar crimes como corrupção e lavagem de dinheiro quando associados ao caixa 2.

“Toda crítica precisa ser respeitada num país que quer ser democrático, garantindo a liberdade de expressão e a liberdade de imprensa. Mas a crítica não pode passar para uma agressão. Principalmente em relação a 1 Poder que tem como função resguardar a Constituição”, disse.

PREVIDÊNCIA: VOTAR EM MAIO NO PLENÁRIO

Maia afirmou que o encontro era uma tentativa de melhorar o diálogo entre os Poderes, o que ajudará na aprovação de reformas necessárias ao país, com prioridade para a da Previdência.

“Estamos construindo uma forma para que os poderes possam dialogar melhor, pactuar uma relação de governabilidade para o Brasil. No sistema democrático todos governam juntos”, disse.

Hoje recebendo o Presidente da República, @jairbolsonaro, o presidente do Senado, @davialcolumbre, o presidente do STF, Dias Toffoli, senadores, deputados, ministros. Nosso encontro sinaliza algum muito importante: estamos construindo um pacto para governar o Brasil. pic.twitter.com/MCpQLGj0YK

— Rodrigo Maia (@RodrigoMaia) 16 de março de 2019

Segundo Maia, a decisão de realizar o encontro foi tomada durante uma conversa com o presidente Bolsonaro no Palácio da Alvorada. O governo trabalha para melhorar a articulação política para aprovar as mudanças no sistema previdenciário.

Maia avalia que a base aliada do governo deverá estar formada em até 3 semanas. “Um governo com vontade de fazer 1 novo tipo de governo leva mais tempo para organizar mesmo. Acho a que base aliada já deverá estar organizada em 2 ou 3 semanas”, afirmou.

O presidente da Câmara disse que pretende votar a reforma em 2 meses. “Acho que poderemos ter o texto da reforma pronto para votar em plenário em maio”.Na 4ª feira (13.mar), Bolsonaro afirmou que o texto será aprovado no Congresso até junho.

1ª parada para análise da reforma da Previdência na Câmara será na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). A comissão terá até 5 sessões do plenário para analisar a constitucionalidade da proposta do governo.

Em seguida, a reforma seguirá para uma comissão especial e depois para o plenário, onde será analisado seu mérito –ou seja, as propostas de fato. Se aprovado pelos deputados, o texto seguirá para análise do Senado Federal.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, também usou seu perfil no Twitter para comentar o encontro.

“A contribuição verdadeira de cada um de nós é fundamental para uma democracia sólida que possa proporcionar, acima de tudo, um país mais justo. Temos muito trabalho pela frente”, escreveu.

Plínio Valério sugere mandato de oito anos para ministro do Supremo

CPI dos tribunais superiores pode ser protocolada novamente

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here