Polícia flagra compra de voto e transporte irregular para Wilson Lima

Pelo menos quatro denúncias de prática de crime eleitoral no interior do Estado, envolvendo o candidato ao governo pelo PSC, Wilson Lima, chegaram até as autoridades policiais e à justiça eleitoral, neste domingo de eleição do segundo turno.

Acompanhe o Blog do Pávulo no Facebook   Twitter  Instagram

Boca de urna 2º turno: leia projeção nos Estados e no Distrito Federal

No município de Maraã, a Polícia Civil autuou Sherlane Vieira da Silva, 50 anos, flagrada comprando voto em favor de Wilson Lima, na Associação de Pescadores do município. Sherlane tinha em mãos R$ 220,00, 837 santinhos, 555 adesivos, 177 jornais e 157 “colas eleitorais”, material pertencente ao candidato.

Em Atalaia do Norte, o 50º Distrito Integrado de Polícia (DIP) registrou a prisão de Anderson Pereira Moçambique, suspeito de fazer campanha eleitoral ilegal de ‘boca de urna’ para Wilson Lima. Segundo o registro policial, Anderson foi flagrado em frente à Escola Estadual Pio Veiga com grande quantidade de material de propaganda do candidato e quando abordado ainda desacatou a polícia.

Débora Ferreira de Souza, 27 anos, e João Gomes da Silva, 55 anos, foram presos em Eirunepé por compra de voto e transporte irregular de eleitores, na manhã deste domingo. A Polícia apreendeu, com a dupla, santinhos da coligação “Por Um Novo Amazonas”, R$ 300 em espécie e o veículo utilizado no transporte dos eleitores. Os dois foram conduzidos à Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Eirunepé, onde foram autuados em flagrante por compra de voto e transporte irregular de eleitores.

Presos em flagrante no município de Nhamundá, Gláucio Duarte Fonseca, Antônio Marcos Corrêa e Israel das Chagas Piraice, foram autuados por transporte irregular de eleitores. Os três homens estavam utilizando as respectivas embarcações para levar os eleitores das comunidades rurais de Nhamundá para votar na sede do município.

Ainda em Nhamundá, os policiais civis cumpriram um mandado de busca e apreensão, requerido pelo Ministério Público do Estado (MPE), acerca de corrupção eleitoral. Foram apreendidos celulares e notas fiscais referentes a compras de combustíveis.