Prefeito Anderson Souza tem várias contas irregulares no TCU

Brasília – Nos últimos dois anos, o prefeito de Rio Preto da Eva, Anderson Souza (PROS), já foi condenado a pagar R$ 1,283 milhão à União por irregularidades em prestações de contas entre multas e devoluções aos cofres públicos quando ele comandou a prefeitura em gestões anteriores.

Entre as condenações no TCU, está uma condenação de 2015, em que o tribunal determinou que o ex-prefeito devolvesse R$ 864 mil e pagasse multa de R$ 35 mil. O processo trata de irregularidades em um convênio firmado entre a Prefeitura de Rio Preto da Eva, em 2006, com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) que tinha por objeto a ampliação do sistema de abastecimento de água, com valor total previsto de R$ 1.112.400,00, sendo R$ 1.080.000,00 a cargo da Funasa e R$ 32.400,00 sob responsabilidade do município (convenente). A Funasa chegou a transferir R$ 864.000,00 em duas parcelas equivalentes a 80{9028a083913d3589f23731fda815f82dd580307fd08b763e2905f04954bd625c} do total do convênio.

Em março deste ano, o TCU condenou o prefeito a devolver R$ 146 mil aos cofres da União por irregularidades na prestação de contas na gestão de 2005 por impugnação parcial de despesas dos recursos repassados à municipalidade, na modalidade fundo a fundo, à conta do Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar (Pnate).

“A responsabilidade do agente público e confirmadas as irregularidade tratadas nos autos, entendo que as contas do Anderson José de Souza devem ser julgadas irregulares, condenando-se-lhe ao pagamento do débito quantificado no processo”, decide o relator do processo, ministro Marcos Bemquerer Costa.

Uma terceira condenação atingiu o prefeito de Rio Preto da Eva, em dezembro do ano passado, em outro processo no TCU. Pela decisão do tribunal, Anderson terá que devolver R$ 121 mil aos cofres públicos além de pagamento de multa no valor de R$ 10 mil.

A condenação trata de impugnação de despesas dos recursos repassados à municipalidade à conta do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), no exercício de 2006, e do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (Pnate), no exercício de 2008.

Justiça Federal condenou prefeito a pagar R$ 2,412 milhões na construção de ‘Complexo Turístico’

O juiz da 1ª Vara Federal de Manaus Lincoln Rossi da Silva Viguini condenou o prefeito do município de Rio Preto da Eva, Anderson Souza (PROS), a pagar R$ 2,412 milhões por irregularidades cometidas em um contrato de 2005 entre a prefeitura e a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) para construção de ‘Complexo Turístico’ na cidade.

A ação por improbidade administrativa foi movida pelo Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas e o juiz determinou, no mês passado, que o prefeito devolva R$ 1.921.636,70 à União, além do pagamento de multa de R$ 500 mil.

Na decisão, o juiz afirma não haver dúvida da culpa do atual prefeito por ter recebido recursos sem ter entregue a obra. “A responsabilidade ou autoria de Anderson José de Souza salta aos olhos na medida em que foi o réu que se comprometeu a executar o objeto conveniado construção de um complexo turístico, cujos recursos foram repassados pela Superintendência da Zona Franca de Manaus”, afirmou.

O valor do convênio era de R$ 1 milhão, recursos que foi liberado integralmente ao prefeito em julho de 2006.
Um laudo do Tribunal de Contas da União constatou as irregularidades da obra, segundo explica o juiz federal na sentença. “Constatou uma série de materiais que ‘supostamente’ foram subtraídos e serviços que devem ter sido objeto de roubo ou mesmo depredados, apontado gravíssimas irregularidades e descaso com a coisa pública. Isso, por si só, demonstra a responsabilidade do réu tendo em vista que era a autoridade responsável, com competência administrativa, pela consecução e fiscalização do objeto conveniado. Todavia, o que se demonstrou, das provas produzidas, foi o total desleixo com a coisa pública, de forma consciente e voluntária. Concluo, desse modo, que o dolo está devidamente comprovado”, cita o magistrado.

No mesmo processo, a empresa responsável pela obra, a Construtora Paricá Ltda., foi condenada a devolver R$ 1.921.636,70 aos cofres públicos de ser multada em R$ 500 mil.

Além deste processo em que já foi condenado, o prefeito responde a outras 11 ações de improbidade administrativa ou enriquecimento ilícito na Justiça Federal do Amazonas.

Com conteúdo do Diário do Amazonas 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui