Procuradoria peruana faz operação em duas propriedades de Kuczynski

Castro ressaltou a importância de esclarecer a origem desse dinheiro porque Kuczynski participou de duas campanhas eleitorais entre 2011 e 2016. Blog do Pávulo

A Procuradoria do Peru fez operações em duas propriedades do ex-presidente Pedro Pablo Kuczynski em Lima em busca de documentos no âmbito da investigação por lavagem de dinheiro, assinalou neste sábado (24) o Ministério Público no Twitter.

O procurador comanda uma operação

“O procurador Marcial Paucar comanda uma operação na casa de Pedro Pablo Kuczynski no distrito de San Isidro, e o procurador Luis Ballón dirige outra na casa do ex-presidente em Cieneguilla”, indicou.

As operações são feitas um dia depois de o Congresso aceitar a carta de renúncia de Kuczynski à Presidência da República e assumir em seu lugar o seu primeiro vice-presidente, Martín Vizcarra.

Equipe Especial Anticorrupção

As operações foram realizadas enquanto o procurador Hamilton Castro, a cargo da Equipe Especial Anticorrupção, sustentava em um tribunal o pedido de 18 meses de impedimento de saída do país contra o Kuczynski.

“Senhor juiz, deve levar em conta que desde o século XIX no Peru há ex-presidentes que fogem do país, ou se submetem a longos processos de extradição, e outros que só retornam quando as acusações prescrevem. Por isso, peço o impedimento de saída”, declarou.

“Os contatos internacionais do agora ex-presidente, assim como sua renda, permitiriam que ele abandonasse o território nacional com facilidade a qualquer momento”, acrescentou.

A defesa do ex-presidente disse que aceitava esse pedido do Ministério Público, pelo qual o juiz Juan Carlos Sánchez, do Sistema Especializado em Corrupção, deu lugar ao impedimento de saída do país.

Ex-banqueiro de Wall Street e com 79 anos, Kuczynski é investigado por pagamentos feitos pela Odebrecht por consultorias a duas empresas ligadas a ele, a First Capital e a Westfield Capital.

Os procuradores encarregados das operações têm a missão de coletar e reunir documentos que possam relacionar o ex-presidente às consultorias dadas por essas empresas à Odebrecht quando ele ainda era ministro da Economia e presidente do Conselho de Ministros, durante o governo de Alejandro Toledo (2001-2006), informou uma fonte da Procuradoria.

Segundo imagens da televisão, uma equipe do Ministério Público entrou na casa de Kuczynski com caixas. Na porta das casas havia policiais da Procuradoria.

O ex-presidente garantiu, no Twitter, que vai colaborar com as investigações. “Lembro que recebi em duas ocasiões os procuradores e duas comissões investigadoras do Congresso. Deixemos para trás o show midiático e não sigamos prejudicando a imagem do país”.

“Que a perseguição e a vingança política não se instalem em nosso país”, pediu, em outro tuíte.

Há suspeita de criminalidade

Ele indicou que “autorizou à Procuradoria levantar meu sigilo bancário e hoje fui impedido de deixar o país. Não tenho nada a temer”.

O ex-presidente havia negado qualquer ligação com a empreiteira, mas a Odebrecht revelou em dezembro ter pago quase cinco milhões de dólares entre 2004 e 2013 pelas assessorias das consultoras ligadas a ele.

Presidente do Peru concede indulto humanitário a Alberto Fujimori

O procurador Castro disse na audiência que sobre o ex-presidente “há suspeita de criminalidade, não estou falando de certeza ou conclusões, mas de suspeitas que precisam ser investigadas”.

Sustentou que, se existir, o crime se qualificaria como lavagem de dinheiro por “atos de conversão e transferência de dinheiro não registrado”.

“É necessário determinar a origem lícita ou ilícita das transferências feitas em um período entre 2007 e 2015 por três empresas estrangeiras para a conta de Kuczynski que somam pouco mais de um milhão de dólares”.

Castro ressaltou a importância de esclarecer a origem desse dinheiro porque Kuczynski participou de duas campanhas eleitorais entre 2011 e 2016.