Rogério Caboclo é afastado da presidência da CBF por 30 dias, após denúncia de abuso sexual e moral

Uma matéria do site GE publicada na última sexta-feira (4) expôs uma denúncia feita por uma funcionária da entidade. O fato gerou grande repercussão entre os torcedores.

Na tarde deste domingo (6), o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF)Rogério Caboclo, foi afastado do cargo por 30 dias em decisão da Comissão de Ética da entidade. A atitude vem em decorrência da denúncia feita por uma funcionária, e revelada pelo site GE, de abuso sexual e moral por parte do presidente.

A CBF foi notificada da decisão logo após ela ter sido tomada. Quem ficará no cargo é Antônio Carlos Nunes, conhecido como Coronel Nunes, o mais velho entre os vice-presidentes da entidade. Ele já havia presidido a confederação em duas oportunidades, enquanto Marco Polo Del Nero estava ausente.
A partir de agora, Caboclo passará a cuidar da defesa de suas acusações, deixando a presidência em um momento tenso internamente na CBF. Isso porque, depois da vitória sobre o Equador pelas Eliminatórias Sul-Americanas, o volante Casemiro deixou no ar que a possibilidade de não disputa da Copa América é real.
Os jogadores brasileiros se pronunciarão sobre o assunto após a partida contra o Paraguai, que acontece nesta terça-feira (8), no Defensores del Chaco, às 21h30 (horário de Brasília). O Brasil está em primeiro lugar nas Eliminatórias, com 100% de aproveitamento, e só tomou gols em um jogo.
Há, também, a possibilidade de troca no comando técnico após o duelo frente os paraguaios. Segundo informações de André Rizek, apresentador do SporTV, Caboclo teria prometido ao governo federal demitir Tite e contratar Renato Portaluppi.